domingo, 19 de julho de 2009

Pedrada no Charco!

De pedrada em pedrada, Fernando ruas lá acabou por ser condenado ao pagamento de uma multa de 2.000€ pelo tribunal de Viseu. Não se retratou, não fez nenhum "mea culpa" pelo excesso de linguagem, não aceitou apoiar monetariamente uma qualquer instituição ambiental, não aceitou prestar qualquer esclarecimento público. Ou seja, não percebeu nada!
Não percebeu que a um titular de um cargo público, sufragado pelos eleitores, não se pode permitir este tipo de linguagem. Não percebeu que os fiscais do ambiente apenas estavam a desempenhar o seu trabalho, fazer cumprir a lei de todos, mesmo contra o interesse de alguns. Não percebeu que a ameaça, a coação e o incitamento à violência não se coadunam com o cargo que desempenha. Nem tão pouco entendeu que esta era uma questão básica de princípios: imaginemos agora que um grupo de cidadãos revoltados com o excesso de zelo da Polícia Municipal se permitisse a tais actos? Qual seria a reacção do Sr. Presidente? Porque nisto de leis não podemos ser selectivos, não podemos escolher aquelas que nos convêm e menosprezar ou ignorar aquelas que nos parecem à partida desfavoráveis.
Nem tão pouco nos podemos refugiar na "linguagem beirã", seja lá o que isso for... Em Portugal conheço o português e o mirandês, o resto são variações de sotaque. Até porque não foi um inocente e metafórico "corram-nos à pedrada", foi antes sim um "Corram-nos à pedrada! A sério. Estou a medir muito bem aquilo que digo. Arranjem lá um grupo e corram-nos à pedrada!". Parece-me que mediu mal. Ou não. Mediu mal porque acabou condenado, mas mediu muito bem quando os fiscais do ambiente começaram a ser intimidados após este apelo, ou seja "fez levar a água ao seu moinho"... Até acredito que o Sr. Presidente não se referisse literalmente ao arremesso de pedras aos fiscais, talvez pensasse antes nuns empurrões, umas provocações ou ameaças...
A argumentação da sua defesa, quando viu que a alegação de "masculinidade" da linguagem beirã não era bastante para a absolvição, partiu para o facto de que nem ouve eco das ditas afirmações na imprensa regional do dia seguinte... Bem, penso que isto não é de todo um ponto a favor, e só demonstra mesmo o estado a que chegaram alguns media locais... Houve entretanto outra guinada argumentativa para tentar encontrar pontos comuns entre as afirmações de Fernando ruas e o "malhão" de A. Santos Silva: Nem sequer são comparáveis e mesmo que o fossem não eram obviamente justificação para a instigação pública ao crime. Em desespero de causa ainda se lembraram de uma reportagem da revista "Visão" que o apelidava "Saddam das beiras". Eu também ficaria indignado, é que a guerra das pedradas é característica da Palestina e não do Iraque! Esqueceram-se foi de trazer também à baila aquela outra alarvidade proferida pelo Sr. Presidente: "Em Espanha têm a ETA, aqui temos a EDP!" . Mais palavras para quê?
Após o conhecimento da sentença, os presidentes de junta e vereadores presentes no Tribunal responderam em uníssono e lá se uniram em volta do "rei da intifada beirã" e decidiram eles próprios ajudar a angariar fundos junto dos seus fregueses para pagar a multa! Nem sei porque é
que se ofenderam tanto quando o Procurador os apelidou de "acólitos"
ao ponto de ameaçarem partir para uma acção judicial: Se este peditório não é característico de "acólitos" já não sei o que significa ser acólito...
Agora aquela ideia peregrina do presidente da junta de Cepões de pagar a multa com moedas de 1 cêntimo, bem... só se o Tribunal desconhecer a lei, porque basta consultar o livrinho do banco de Portugal relativo ao euro para se constatar que se podem recusar pagamentos efectuados com mais de 50 moedas! Uma boa ideia era pedir aos viseenses solidários com a "idade da pedra", que atirem umas moedinhas para as fontes enclausuradas nas rotundas e contribuam assim para o peditório!
É por estas e por outras que a palavra "Provinciano" ainda tem uma conotação pejorativa... Pudera!
Pedradas só no charco que caracteriza a actuação desta edilidade. Por mim, dia 11 de Outubro, é corrê-los a votos!

Marco Daniel Nicola Veríssimo

5 comentários:

Anónimo disse...

Grande discurso de Miguel Ginestal. Em 3 partes. Aqui se vê o futuro da força de Viseu:

http://www.youtube.com/watch?v=ML-Eivc8M8E&feature=related

Força Miguel! Força Viseu!

M. Daniel Nicola V. disse...

Apesar do M. Ginestal ter até boas ideias para esta cidade, não se consegue livrar do fardo junqueiro... E PS/PSD são as duas faces da mesma moeda. O comboio é um exemplo. Há 20 e tal anos que empurram entre si a responsabilidade pela inércia do processo, entretanto está tudo na mesma! Quer dizer, o Ruas já trouxe um comboio (turistico e com pneus!) e os carris (funicular)! Só falta conjugar as duas coisas numa só e ...voila!

Anónimo disse...

Miguel Ginestal não é solução infelizmente.

Anónimo disse...

A luta do Junqueiro não é a CMV, mas sim outra.
O Gintestal tem força suficiente para lutar por este concelho que merece mais e melhor. O Futuro é mesmo agora!

CP

Anónimo disse...

Se Ginestal fosse a solução para algo poderia, eventualmente, votar nele. Mas como na opinião, minha e de muitos viseenses o não é, o tempo passa e após 2 candidaturas falhadas terá que arrumar as botas para o ressurgimento de alguém, quando, sim, nessa altura teria finalmente a sua oportunidade. A vida como tudo o resto é uma questão de timmings!!!